quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Bunkers militares abandonados




Postagem atualizada em 11 de setembro de 2013

Olá, gente!
Recebi um material de um leitor que morou na Holanda e fotografou esse bunker que fazia parte da defesa holandesa da "Muralha do Atlântico", uma gigantesca barreira de defesa alemã da Segunda Guerra, que se estendia desde a fronteira com a Espanha até a Noruega.
É a entrada de um túnel de 22 km que vai de Hoek van Holand até Haia. Segundo nosso leitor, ele encontra-se fortemente fechado mas os vídeos que encontrei mostram que nem tanto assim. :D Sorte de quem tem coragem de entrar. É claustrofóbico aos extremos.













Fonte:


Vídeos:








segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Barcos abandonados pelo mundo.


Postagem atualizada em: 23 de outubro de 2013.

Cemitério de navios na Angola

Olá, gente boa!
Gostaria de apresentar pra vocês o Leonardo Caponi, um argentino, admirador do blog. Ele mora numa pequena cidade de Pernambuco chamada: Buenos Aires. Segundo ele, foi pura casualidade. 
Ano passado ele morou e trabalhou durante sete meses em Angola e visitou um cemitério de barcos ao norte de Luanda. Um lugar fascinante que ele próprio nos conta sua história:
"Quando a guerra civil angolana acabou, nos anos 90, o porto de Luanda tinha muitos navios sem condições de navegar (técnicas ou legais). O novo governo mandou tirar todos eles e os abandonou em outro local. Atualmente, 39 carcaças de navios ainda estão na praia ou perto da costa."
As imagens, como vocês perceberam são belas plasticamente, confiram os álbuns de foto do Leonardo
Quero complementar que o Leonardo faz ou atividade, que também se enquadra como exploração urbana que é procurar metais no subsolo. Isso mesmo, ele sai com aquele detector de metais e procura metais no subsolo. Olhem o blog dele sobre as explorações, tem um nome excelente é o Tesoros do Nordeste.
Valeu, Leonardo! obrigado por dividir esse material conosco, e para os leitores já adianto que mais coisas dele vão rolar por aqui. Grande abraço.
Contatos com ele pelo e-mail lcaponi@gmail.com.


























 


























Fonte da pesquisa e link para mais fotos do Leonardo:


Postagem anterior:


Navio Mara Hope - Fortaleza/CE
Em 1985 passava pelo litoral de Fortaleza, Brasil, um rebocador que levava um navio incendiado, o qual estava no Texas - EUA. Seu destino era Taiwan onde seria desmontado. Mas a natureza não quis! Resolveu deixar o navio lá mesmo no porto da cidade. Seu rebocador, além de apresentar problemas mecânicos, a maré alta e uma tempestade resolveu logo o assunto.
O barco se chamava Mara Hope e a empresa que o comprou chegou até a desmontar e levar uma parte do navio, mas sua carcaça ainda está encalhada e é point de mergulhadores e aventureiros que vão até lá pra executar o famoso salto de cima do Mara Hope.




















Fonte:







Vídeo:



Navio Altair - Rio Grande do Sul


Este navio está na Praia do Casino, na cidade de Rio Grande no Rio Grande do Sul. É uma carcaça bem visitada apesar de já estar bastante deteriorada pela água salgada. Não consegui muitas informações sobre a data do naufrágio nem sobre suas causas. Cheguei até ele através de uma dica de uma leitora do blog. Valeu!





























Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Praia_do_Cassino

http://www.geolocation.ws/v/P/62296319/navio-na-praia-do-cassino/en

http://www.geolocation.ws/v/P/62296215/navio-altair-praia-do-cassino-foto-de/en

http://www.panoramio.com/user/2393750?with_photo_id=17155003

http://www.panoramio.com/user/5529432?with_photo_id=54113115

http://www.panoramio.com/user/122317?with_photo_id=1151598

http://www.panoramio.com/user/2393750?with_photo_id=17084089

http://www.panoramio.com/user/241625?with_photo_id=47269087

http://www.panoramio.com/user/120444?with_photo_id=30106930

http://www.panoramio.com/user/263143?with_photo_id=1261627


Vídeos:







Melody

O navio de passageiros Melody encalhou na costa da Grécia, bem na frente da Ilha de Atalanti, em julho de 2009. Uma visão estonteante é ver, por trás do barco encalhado, a cidade que sobe o morro á beira do mar.











Fontes:

http://www.shipspotting.com/gallery/photo.php?lid=974561

http://www.panoramio.com/user/1197889?with_photo_id=20109095

http://www.panoramio.com/user/23094?with_photo_id=268369

United Malika

Este navio transportava peixes quando encalhou na costa da Mauritânia, perto de Nouadhibou, no remoto Cabo Branco. Era 2003, e a tripulação, de apenas, treze pessoas. Perto do local do naufrágio há também algumas construções e um farol abandonados.



























Fontes:

http://www.artificialowl.net/2008/05/shipwreck-of-united-malika-shore-of.html

http://www.panoramio.com/user/1547114?with_photo_id=19162203

http://www.panoramio.com/user/5614983?with_photo_id=48905787

http://www.panoramio.com/user/126927?with_photo_id=15005980

http://www.panoramio.com/user/23094?with_photo_id=208237

http://www.panoramio.com/user/78251?with_photo_id=388376

http://www.panoramio.com/user/1237028?with_photo_id=6789269

http://www.wrecksite.eu/imgBrowser.aspx?17755

http://www.wrecksite.eu/imgBrowser.aspx?17754

http://www.shipspotting.com/gallery/photo.php?lid=194806

http://www.navegando.info/index.php?cmd=detail&view=html&item=321&title=UNITED%20MALIKA&language=english





Ever Prosperity

Esse navio tem uma história muito singular. Ele, na verdade, são eles. São dois navios com nomes iguais, e como não bastasse terem os mesmos nomes, ambos afundaram na costa da Nova Caledônia, uma ilha pequena a uns mil e trezentos quilômetros da austrália. Um afundou em 1965 e o outro em 1970 e, pasmem! a mesma pessoa conduzia os dois. Um capitão coreano. Triste sina.


Uma visão dos dois navios.























Fontes:

http://www.artificialowl.net/2009/04/story-of-captain-who-wrecked-twice-same.html

http://wikimapia.org/12492097/Crash-of-the-Ever-Prosperity-1970

http://wikimapia.org/12492110/Crash-of-the-Ever-Prosperity-1965

Um vídeo do Sebastien Merion http://www.dailymotion.com/sebastienmerion, um aventureiro e fotógrafo profissional que mora lá na ilha http://www.sebastienmerion.com/. Dica muito legal! os videozinhos dele são inspiradores. Dá uma vontade de largar tudo e ir morar num lugar desses.

O vídeo:

video

Link do vídeo no Daily Motion:

http://www.dailymotion.com/video/x1fkto_everprosperity_sport.


Barcos Abandonados

Desde que fiz a postagem sobre Grytviken, o porto de baleeiros abandonados, no Alasca, fiquei fascinado pela paisagem solitária, desolada e poética que há, nas paisagens com barcos abandonados. Cemitérios de barcos são muito comuns em todo canto do mundo. Coletei uma série muito bonita de um fotógrafo que eu não consegui identificar o nome (ainda). Se alguém souber ou tiver uma pista me escreva. Só sei que são navios na Russia e a assinatura do fotógrafo está bem no canto de baixo das fotos.















Alguns links sobre barcos abandonados:

http://rezalution.ca/index.php?showimage=522

http://www.yesmagazine.org/issues/climate-solutions/christopher-herwig-photo-essay-2

http://englishrussia.com/index.php/2008/02/25/abandoned-frozen-ships/

http://www.phototravelreview.com/sunshine-on-a-rainy-day-%E2%80%93-a-trip-to-ardnamurchan-and-mull/

http://www.thorntothehorn.org/index.php?state=readpictures


Alguns vídeos de barcos abandonados, ou ghost ships.






Santa Leonor - Estreito de Magalhães - Patagônia Chilena
No estreito há mais 4 barcos naufragados fora o Santa Leonor, são eles: "Moraleda", "Magada", "Ponte Verde" e o "Recreo". Era um cargueiro americano construído em 1944 e, que naufragou, em águas chilenas, em 31/01/1968.






Links para o Santa Leonor:

http://www.flickr.com/photos/80651083@N00/2196504962/

http://www.panoramio.com/photo/18453138

http://www.wrecksite.eu/wreck.aspx?148287

http://www.newworldencyclopedia.org/entry/Strait_of_Magellan

http://en.wikipedia.org/wiki/Smyth_Channel


Barcos abandonados na costa da Grécia

Na costa da Grécia encontrei algumas ocorerências de barcos abadonados e gostaria de postá-las aqui. São muito interessantes. São eles:

Mediterranean Sky
O nome original do Mediterranean Sky era City of New York, quando foi construído em 1952, em Newcastle, Inglaterra. O cruzeiro partiu de Londres em novembro de 1953, e manteve seu serviço até que foi vendido para Michael A. Karageorgis, em 1971, quando ele se tornou o Mediterranean Sky. Sua última viagem foi em agosto de 1996, numa rota de Brindisi para Patras.
Devido à situação financeira das empresas, o Mediterranean foi confiscado em 1997, em Patras, onde permaneceu até 1999, quando foi então rebocado para Elêusis e, lá começou a afundar lentamente e foi abandonado. No final de novembro de 2002, ele começou a ser tomado completamente pelas águas e, a fim de parar com o afundamento do barco, ele foi rebocado para águas rasas e encalhou. Em janeiro de 2003, o Mediterranean Sky tombou para o lado, na Baía Elêusus, onde permanece aguardando seu destino.
















Links de fotos da Panoramio de algumas pessoas que visitaram o local:

Dimitrios
Sobre esse barco não encontrei muitas informações muito certas, algumas até confundidas com outro barco chamado Dimitris, afundado pelos alemães.
O barco Dimitrius está encalhado perto da cidade de Gytheio, que quer dizer Terra dos Deuses. É uma cidade na prefeitura de Laconia, na Grécia, há muito tempo conhecida como o porto de Esparta. Gytheio costumava ser um importante porto durante muitos séculos até que foi destruída por um terremoto.


Olympia
O naufrágio do Olympia que, anteriormente, e de modo irônico, era chamado de "Inland", foi aparentemente causado por um ataque pirata, e apareceu no cinema no filme "Le Grand Bleu"/Imensidão Azul. Ele está perto da cidade de Katapola, na Ilha de Amorgos.
















Alguns links sobre o Olympia:

http://www.panoramio.com/photo/17048598

http://www.panoramio.com/photo/22199858


Panagiotis
Imagina a praia perfeita, escondida, encravada e só você conhece, ou você e um monte de turistas. Não importa. Particularmente, ou em grupo, essa praia é encantadora. E para deixá-la mais perfeita, uma carcaça de um barco naufragado. Na ilha de Zakynthos está o Panagiotis, que tem uma história muito única: algumas versões afirmam que ele era usado pela máfia italiana para contrabandear cigarros para a Turkia. Numa perseguição pela polícia, nos anos 80, a nau também enfrentou uma tempestade e encalhou nessa praia que está até hoje. A tripulação, perseguida pela marinha, fugiu pela praia, deixando o Panagiotis encalhado na rasa enseada do Porto Vromi. Hoje ele é chamado de "navagio" que quer dizer naufrágio.













Vídeos de visitantes de Zakynthos:












Semiramis
Esse barco é outro que poucas informações encontrei. Fica no litoral da ilha de Andros, na praia Vori. É uma região bem desértica. Pelas imagens, penso se tratar de um barco cargueiro e, notem, ele tem rasgos bem grandes numa boa parte do caso. Terá ele sido bombardeado?




















Veleiro russo encalhado em Sigri, na Ilha de Lesbos
Então... Não contente com as minhas descobertas das ilhas gregas, vasculhei algumas ilhas pelo Google Earth e olha o que encontrei: um veleiro russo encalhado no litoral da Ilha de Lesbos. E se alguém passou por lá e fotografou, tá no Panoramio, o site de imagens do Google Earth. Estão ai as colheitas.







Galera, quem quiser ver esses lugares no site da Panoramio, dos próprio usuários que visitaram o local, é só digitar as coordenadas embaixo das fotos no Google Earth que agora estou colocando. Tem sempre muito mais coisas. De pouco em pouco atualizarei todos os locais postados no blog com fotos do GE. As novas postagens já sairão com ela.

Tá! esses barcos são lindos, mas barcos abandonados também podem ser assustadores. Imagina que na Mauritânia tem um porto absurdo de lotado de canoas, que visto pelo GE parecem espinhas de peixe gigantes. Um lugar com péssimas condições de saneamento, higiene e saúde. Na feira desse porto, peixes e outros alimentos são vendidos e aprensetadas aos compradores, no chão. E isso não é, ainda, ao assustador que estou me referindo. Me refiro ao outro lado dessa baia por onde se alonga dezenas de quilômetros de praias cheias de navios abandonados. Meu próximo tema: Cemitérios de Navios.


Cemitérios de Navios


Baia de Nouadhibou, Mauritânia
Como dizia, a paisagem é fantasmagórica. Vou atrás da informação do porquê disso. De tantos barcos encalhados nessa costa. Não achei, ainda, nada comparado a isso. Começa com uma baía onde há muitos mesmo, ancorados ao longe e, penso eu, que quando eles vão se soltando, são levados à praia. Impressionante e a pocalíptico. Vejam no Google Earth, vale a pena.


Essa é a baía. Na reentrância do continente bem acima está o tal porto "espinha de peixe", do outro lado, no mar, a baía completamente cheia de barcos, abandonados. Todos. É impressionante. Abaixo, coloquei imagens com zoom, e dividi a a área geral em três.
 A Baía em zoom.



Links de fotos do Panoramio, é só colocar as coordenadas que estão bem embaixo da foto, no Google Earth.













Alguns vídeos do local:






Arthur Kill Ship Graveyard - Rossville Boatyard, Staten Island - NY
Imaginem agora um cemitério de barcos numa cidade. E numa cidade como Nova Iorque. Pois, sim, existe esse lugar. Fica em Staten Island, num porto bem longe chamado Rossville Boatyad, no Porto de Nova Iorque. Já foi cenário de achados mórbidos do CSI (para os aficcionados, no episódio 6 da temporada 7, chamado "Do not pass, go!".
"Cemitério de barcos" pode ser chamado para locais que, autorizado e demarcado pelas autoridades locais, são depositados barcos sem uso ou locais onde há uma grande quantidade de barcos afundados, estes, geralmente no mar. Em Arthut Kill nota-se barcos em vários estágios de sucateamento e tamenho, barcos em madeira e em metal, formando esculturas na paisagem que mudam de acordo com a maré. Ele é muito visitado durante o dia e, a cada dia, é possível ver suas carcaças amanhecerem de forma diferente a do dia anterior. Huuuum... (pensando em ir para NY).













Alguns links de visitantes de Arthur Kill:
http://www.flickr.com/photos/jag9889/2750956401/in/photostream/

http://home.comcast.net/~wwrivrrat/graveyard08.htm

Links e videos do graveyard:





SS America

A história desse navio é fascinante e longa. Ele já teve vários donos e nomes, SS Australis, West point, Venture Cruise line, Italis, American Star, entre outros vários.

Desenhado por William Francis Gibbs, teve seu interior projetado pelos arquitetos Eggers & Higgins, Smyth, Uquart e Marcwald.
Inaugurado em 31 de agosto de 1939, um dia antes de Hitler invadir a Polônia e, por causa do início da Segunda Guerra Mundial, não pôde fazer viagens transatlânticas. Posto então, para fazer somente cruzeiros, o SS America, em 1940, fez sua viagem inaugural para as Ilhas Caraíbas, serviço que durou um ano.
Durante seus primeiros cruzeiros, logo se percebeu que seu projeto havia falhas de desenho na popa e, a USLines decidiu fazer as modificações, que aumentaram seus funis em 5m.

O SS America no porto de NY.

O SS America acomodava 543 passageiros em cabines classe A, 418 na classe turística, e 214 em terceira classe, num total de 1.202 passageiros e, como havia sido construído com subsídios parciais do governo americano, este teria direitos sobre o navio, que se fizeram valer em julho de 1941, quando a marinha dos Estados Unidos "recrutou" o SS america para a guerra e rebatizou o barco com o nove de West Point. Partiu em sua primeira missão se unindo à caravana Halifax, que seguia para o Egito, mas foi desviado para se dirigir à Singapura, via Cidade do Cabo. Foi atacdo via ar durante esse trajeto, porém resistiu quase intacto.


O SS America indo para  aguerra na pele de West Point.


O West Point foi então à Nova Zelândia para recolher as tropas americanas que iam para Noumea. E no papel de West Point, o SS America percorreu os quatro cantos do mundo, passando pela Europa, América do Sul, pelo Pacífico, continente Australiano, Ásia e África. Num roteiro com mais de 550 mil milhas, transportou mais de 500 mil pessoas. Ufa!


Em 1946 o navio foi devolvido e passou por um período sendo reequipado, para voltar a ser um navio de cruzeiros, o qual agora acomodaria 516 na primeira classe, 371 na segunda e 159 na terceira, reduzindo sua capacidade em 156 passageiros. Viajou até 1961 pelo Atlântico. Fazia cruzeiros regulares de verão e, em 1964, depois que disputas sindicais param saídas de navio de NY, o SS America fez sua última viagem á Europa, voltando à NY para os estaleiros de Newports New, onde foi vendido para a companhia Chandris Line, em 1964, tornando-se o branco Australis.


Agora com bandeira grega, partiu de NY para os estaleiros de Chandris, no Pireu, e foi fazer a rota Reino Unido-Austrália-Nova Zelândia. teve suas acomodações aumentadas para acomodar 2.258 passageiros, divididos em suas 3 classses. Logo se tornou um navio muito popular entre australianos e neo-zelandeses e, em 1967 o Australis começou a expandir seus horizontes para cruzeiros fora da Austrália, durante o verão de 1967. Foi então todo modificado, teve seu casco pintado de cinza, retiraram um de seus mastros e teve até seu registro feito no Panamá, para poder viajar pelas suas águas.
Em 1970, numa viagem entre Auckland e Suva, o Australis sofreu um incêndio que destruiu cerca de 40 camarotes e dois dos salões do navio: o Salão Vermelho e o famoso Salão de Ouro. Depois de reparos, ele continuou até 1977, quando foi para a Nova Zelândia ser vendido para a America Cruise Lines, teve seu casco pintado de azul, e seu nome mudado para Venture Cruise Line. Logo em 1978 uma grande confusão aconteceu, causada pelos péssimos estados dos navios da companhia, incluindo o Venture.


Em junho de 1978, num mini cruzeiro que fazia, com 950 pessoas a bordo, uma grande equipe de trabalhadores que faziam reformas no barco, embarcaram no cruzeiro e digamos, "habitaram" com os passageiros. Muitos dos passageiros se rebelaram e, o barco, seis horas depois de sair do porto, teve que ancorar em Staten Island, onde 250 passageiros desceram via bote salva vidas.


Os péssimos comentários feitos pelos passageiros, acerca da companhia e seus navios velhos, se espalharam, e nesses comentários incluiam colchões velhos, roupa de cama e banho deteriorada, sacos cheios de lixo pelo navio e mau cheiro nos banheiros. Nem precisa dizer que o barco foi vendido em estádo precário, pois, ainda com a Chandris, o Australis foi mantido a um nível mínimo de manutenção. Resultado: ferrugem em todos os lugares. A Venture Ship Line deveria ter dado um prolongado reequipamento no barco, se quizesse tê-lo por bem mais tempo, antes de sair por ai navegando com ele. E depois de alguns cruzeiros começados e cancelados por causa do estado do navio, a empresa entrou em falência.
Num leilão, a Chandris comprou o SS America de novo, o qual passou por um período longo de restauro, porém tinha sua frente bem comprometida pela ferrugem que se alastrara maciçamente. Seu casco, depois da reforma, passou a ser azul claro, e seu nome Italis e, quando iniciou cruzeiros pelo mediterrâneo, via Gênova, se tornou o SS Italis Genova, e sua vida como tal durou apenas dois anos, quando foi colocado em Eleusis na Grécia e seu programa de cruzeiros foi transferido para seu novo dono: a empresa RHMS Ellinis. 
Nos anos seguintes a 1980, mudou de dono e de nome várias vezes. Pertenceu à Inter Commerce Corporation, à Noga d'Inportation et d'Exportation, à Silver Moon Ferries Ltda e teve seu nome rebatizado para Alferdoss que, em árabe, significa paraíso. Porém o barco tava mais pra inferno e, em 1988 uma de suas bombas de esgoto estourou e inundou boa parte do navio. Imaginem só!


A Austrália se movimentou para comprá-lo e trasnformá-lo num hotel flutuante em Melbourne, pois, como trouxe milhares de imigrantes europeus e britânicos ao continente australiano, era muito querido por lá. No entanto, ele foi comprado por uma empresa tailandesa em 1992, que tinha como objetivo o mesmo de melbourne, só que em Phuket.
Em sua viagem à Asia, para se reformado e trasnformado em hotel flutuante, passou por condições extremas de tempo, e voltou várias vezes para esperar o melhor momento de ir. Rebatizado então, de American Star, em 1994, durante sua viagem, uma forte tempestade lançou o navio à deriva, com 4 tripulantes a bordo. várias tentativas de reboque falharam e os quatro foram resgatados por elicóptero. Em 17 de janeiro daquele ano, o então American Star, encalhou na costa oeste de Fuerteventura, nas Ilhas Canárias e, 48 horas depois, foi partido em dois, por ondas fortes. estava declarada a perda total do SS America. Lentamente se partiu em três, afundou uma parte, afundou outra, e depois de 39 anos, navegando por esse "marzão de deus", transportando passageiros em cruzeiros e tropas, se assentou nesta praia por mais treze anos e, recentemente desapareceu nas águas. Tombou totalmente, descansou. Finalmente.


Não disse que a história era longa? agora vamos às fotos.
































Links sobre a história e com muitas fotos do SS America:


http://www.ss-australis.com/americanstar.htm

http://www.ssmaritime.com/ss-america-australis.htm

http://paperindustryweb.com/mypage/westpoint.htm

http://www.fuerteventura.uk.com/americanstar.html

http://www.captainsvoyage-forum.com/showthread.php?310-ex-SS-America-ex-USS-West-Point-AP-23-ex-Australis-ex-Italis-ex-Noga-ex-Alferdoss-ex-America

http://www.backtrax1.com/the_shipwreck.html

http://www.cotillosun.co.uk/welcome/picwelcome6.htm

http://www.flickr.com/photos/78002012@N00/499428366/

http://www.flickr.com/photos/imp1/255716577/in/photostream/

http://cruiselinehistory.com/?p=1581

http://www.fuerteventura.com/American_Star/index.shtml

Links e vídeo sobre o barco:





Barco naufragado no Azerbaijão

Eu achei esse barco abandonado navegando pelo Google Earth. Tão longe, mas mesmo assim atrai a visita de pessoas. Não consegui descobrir uma sequer pista dele.









Fontes:




http://www.panoramio.com/photo/37205792


World Discoverer

O World Discoverer originalmente chamava-se BEWA Discoverer, foi construído em 1974 na Alemanha. Em 1976 ele foi vendido e teve seu nome mudado para World Discoverer, quando começou a fazer cruzeiros e expedições por lugares exóticos como Tahiti, Bora Bora, Ahe, Manihi, Marquesas, Pukapuka, entre outras do Pacífico Sul. Noa anos 90, o navio fez expedições pela Antática. 
O World Discoverer encontrou seu fim em 30 de abril de 2000, durante um trajeto por entre bancos de areia nas Ilhas Salomão. Um encontro com um recife foi o golpe fatal.
Até hoje o barco ainda está na costa da Ilha Nggela.













 
















Fontes e  mais links sobre o World Discoverer:







Vídeo bem curto com imagens do navio:



TOP 10 - POSTAGENS MAIS POPULARES DO MÊS

Loading...

Notícias

Loading...