sábado, 19 de novembro de 2011

A Granja Colares, Santa Bárbara do Pará.

Essa visita foi a melhor parte de minhas expedições por lugares esquecidos em Belém no último outubro. 
A Granja Colares é um lugar privado, e é com muita saudade dos velhos tempos e respeito à família Colares, que peço licença para fazer essa postagem.
Nossas famílias se conhecem há tempos, e desde criança eu frequento esse lugar, encravado numa porção de floresta nativa que ainda resta na região. A Granja funcionou à todo o vapor nos anos 80, mas o foco da postagem não é a granja, e sim um balneário particular que existe ao fundo dela. 
Na entrada, a qual só é feita sob a permissão da família, passa-se os silos, a casa da família, dos caseiros, e então entra-se num caminho ao redor dos galpões, muitos já não existem mais, pois a granja mudou de ramo e hoje produz ração para os criadores das regiões por perto.

O caminho de terra batida nos leva à uma entrada no meio da mata, na qual ele continua até o portal de entrada com um corredor até barracão central. Que é cheio de plaquinhas com dizeres simples sobre a vida e possuía várias estátuas de madeira, carrancas e quadros circulares de cerâmica pintados com paisagens amazônicas em sua decoração. Hoje só restam as plaquinhas e algumas estátuas quebradas.
O Barracão central tem toda a infra estrutura para reuniões. Eram clássicos os domingos na granja, muito sol, piscina, brincadeira e, claro, muito frango assado na brasa. Em junho acontecia todo ano, o aniversário do proprietário, e uma grande festa junina que começava no sábado e terminava no domingo acontecia. Do outro lado da piscina havia um redário onde aqueles que não aguentavam a noitada iam dormir.
A piscina foi feita de um igarapé represado. Inicialmente as paredes eram de tábuas, depois ela foi aumentada e feito um acabamento em sua borda em fibra de vidro azul. Solução muito interessante, conserva o piso de areia e dura. Até hoje está lá.
O redário, separado por sexo, possui no meio a proteção de duas santas, Santa Bárbara e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. As imagens, desgastadas por anos de exposição ao tempo, estão descoloridas, mas seus olhos de vidro continuam vivos como antes.

Em um dos lados da piscina represada há um parquinho fantasma, brinquedos enferrujados compõem uma paisagem surreal no meio daquela mata. Me levou imediatamente às lembranças vivas que tenho dali.

Seguindo pelo parquinho a gente dá para a entrada do caminho. Um passeio pelo meio da mata, com direito à ponte e pequenas casinhas de repouso e contemplação. tudo cercado por uma escala nada comum de árvores. São gigantescas, tapam a luz do sol em algumas partes. 
A água âmbar do igarapé contrasta com o verde das árvores. Tudo é muito mágico e silencioso. Apenas os sons da natureza, dos insetos, dos bichos nos cercam.
O caminho termina em um dos limites laterais da propriedade, uma boa oportunidade para me jogar nessas correntezas que nos limpam, nos lavam a alma e nos enchem de energia boa.
Obrigado amigos e irmão proprietários da Granja. 
Alex! essa postagem é em homenagem ao seu pai e a sua família. Obrigado por permitir, sempre que vou à Belém, que eu vá na Granja, faça dela a minha casa e leve meus amigos para conhecê-la. Todos se encantam com o lugar.

Postei algumas fotos antigas de lá, para lembrar dos momentos legais que passei com minha família.





















































































































































11 comentários:

  1. Belíssimo trabalho o de vocês!!! Estou começando a acompanhar o Blog agora, mas sempre gostei do Tema... é lamentável o que aconteceu com esse lugar... era muito bonito pelas imagens antigas...

    ResponderExcluir
  2. Que lugar lindo!! Realmente uma pena que esteja neste estado.

    ResponderExcluir
  3. É, aos poucos a natureza vai retomando o seu lugar.
    Gostei do seu relato, e também por ter postado fotos antigas e recentes, deu pra comparar o antes e o depois...

    ResponderExcluir
  4. Esse lugar é mágico. Em todas as vezes que eu fui lá depois de adulto, eu disse todas! incluindo nessa última, aparece uma borboleta azul brilhante. Impressionante!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo conteúdo do blog. Muito bom. É impressionante a força da natureza, capaz de retomar o seu lugar "roubado". Show o blog.

    ResponderExcluir
  6. Pergunta: Por que esse lugar não é mais frequentado ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Granja é de propriedade particular e a família pouco frequenta.

      Excluir
  7. Respostas
    1. pedro, esse lugar é tão querido por mim, que vc nem imagina o quanto. é muito triste ir nele e vê-lo nesse estado. :(

      Excluir
  8. Só uma observação, não fica em Santa Izabel, mas em Santa Bárbara do Pará.

    ResponderExcluir

TOP 10 - POSTAGENS MAIS POPULARES DO MÊS