terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Estações e Ferrovias esquecidas no Brasil


A minha última postagem (sobre a estação Bernardo Sayão e os vagões abandonados em Brasília) me introduziu num tema muito bonito: a história das estradas de ferro brasileiras e o que foi feito delas. Encontrei gente muito séria no assunto, pesquisadores fantásticos da memória das ferrovias brasileiras que é a própria memória da colonização de muitos lugares nos interiores do nosso imenso país. Blogs como os maravilhosos e completos http://blogdogiesbrecht.blogspot.com e http://www.estacoesferroviarias.com.br, são lugares essenciais para quem se interessa sobre o assunto. Foi nessas fontes que eu fui beber e fazer a postagem sobre as estradas de ferro e estações brasileiras abandonadas.
Tudo começou com a ideia de ligar o Rio de Janeiro e São Paulo, em 1840. O médico e sogro de José de Alencar, o dr. inglês Thomas Cochrane, consegue nesta data uma concessão para a construção da estrada de ferro que ligaria essas duas cidades, porém, por falta de verba, esse projeto nunca foi concretizado. O passo fundamental só viria mesmo com a iniciativa efetiva do Barão de Mauá.
Numa viagem à Londres, o empresário Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, conheceu tudo sobre o novo meio de transporte que surgia com o início da industrialização: as estradas de ferro. Logo surgiu a ideia de implantá-las no Brasil, onde o transporte de tudo era feito por mulas.
O título de Barão lhe foi dado por D. pedro II, devido aos seus grandes investimentos como industrial e grande construtor das estradas de ferro em nosso país. Ao final dos 1800's o Brasil já possuía mais de 1000 km de ferrovias, e em 1953 mais de 37 mil km. 
Dentre as ferrovias mais famosas, podemos citar: a Estrada de Ferro Recife - São Francisco (1858 - PE), a Estrada de Ferro Bahia - São Francisco (1860 - BA), a São Paulo Railway (1867 - SP), a Companhia Baiana de Navegação (1868 - AL), a Estrada de Ferro Baturité (1873 - CE), a The Porto Alegre & New Hamburg Brazilian Railway Company (1874 - RS), a Estrada de Ferro Leopoldina (1874 - MG), a Estrada de Ferro Carangola (1879 - ES), a Great Western (1881 - RN), a Companhia Estrada de Ferro Conde D'Eu (1883 - PB), a Companhia Progresso Agrícola do Maranhão (1883 - MA), a Estrada de Ferro Paraná (1883 - PR), a Estrada de Ferro Donna Thereza Christina  (1884 - SC), a Estrada de Ferro de Bragança (1884 - PA), a Madeira-Mamoré Railway Company (1910 - RO), a Estrada de Ferro Goiás (1911 - GO), a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (1912 - MT e MS), a Compagnie de Chemins de fer Fédéraux de l'Est Brésilien (1913 - SE), a Estrada de Ferro Central do Piauí (1922 - PI) e a Estrada de Ferro do Amapá (1957 - AP), a Viação Férrea do Centro Oeste (1968 - DF).

Atualmente muitas dessas estradas de ferro nem mais existem. Outras muitas estão abandonadas. Falidas depois das privatizações das ferrovias nos anos 90. Que pena! o Brasil era totalmente conectado por ferrovias que funcionavam muito bem. Um meio de transporte ideal para um país tão grande.

Vamos aos achados:

Estação de Alagoinhas - BA






Estação de Amador Bueno - SP



Estação de Angra dos Reis - RJ




Estação de Bauru - SP








Estação de Botucatu - São Paulo






Estação de Brotas - SP











Estação de Bento Quirino - SP



Estação Cachoeira Paulista - SP






Vídeos:







Estação de Coronel Correa - SP




Estação de Chiador - SP



Estação de Engenheiro Correa - SP








Estação Iperó - SP






Estação Itatinguy - SP



Estação de Jaguará












Estrada de Ferro Minas Railway



Vídeo:





Estação Parnapiacaba - SP












Vagão na Estação de Paratinga - BA




Estação de Pirajuí - SP




Estação de Qiririn - SP



Estação Rufino de Almeida - SP








Estação Sapucaí - MG




Estação Serra Grande - AL




Estação Silveira do Val - Ribeirão Preto



Vídeo:




Estação Taubaté - SP






Estação Torrinha - SP




Túnel que atravessa a Serra da Mantiqueira - Lado de SP




Estação Sobradinho - MG


Viaduto Paulo Frontin - SP




Vídeos de mais estações ferroviárias, ferrovias e vagões brasileiros abandonados:























O último apito:







Fontes:







25 comentários:

  1. Que trabalho magnífico, belíssimo!!!
    Mais que isso, importante!!!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. legal a matéria primo e as fotos belissimas!!!
    Parabens!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ei prima!! pois é! dou uma boa cavucada na net pra achar as fotos. acho que ficou bem completinho, mas ainda há muitas estações abandonadas por aí.
      mil beijos!

      Excluir
  3. Belíssima postagem mesmo...

    Aqui em Londrina as coisas foram diferentes com a Estação Ferroviária, desde sua desativação ela se transformou em Museu Histórico... quem quiser, pesquise no Google sobre o MUSEU HISTÓRICO DE LONDRINA e verão que bela obra... tudo exatamente como era anos atrás...

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo excelente tema e pelo belo trabalho de pesquisa!

    ResponderExcluir
  5. kingninobrown@hotmail.com22 de fevereiro de 2012 21:02

    UMA CORREÇÃO A ESTAÇÃO SERRA GRANDE FICA NO ESTADO DE -ALAGOAS-AL.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela pesquisa,fotos,videos!

    Sou de Sertãozinho/SP próximo a Ribeirão Preto,aqui em breve terá o trem da cana(turístico),o percurso será de Sertãozinho a Pontal, mas com projetos a ir até estação PASSAGEM e a estação de Pitangueiras.
    E aqui também tem muito a que ser feito...
    A história daqui da região é muito rica,bonita
    Tínhamos SPM(São Paulo Minas), CM(Companhia Mogiana e depois passado a FEPASA),a que ligava a Cidade de Dumont,Pradopolis, Bonfim Paulista,Cravinhos etc.

    Pelo site,http://blogdorodrigoflores.blogspot.com.br/,http://blogdogiesbrecht.blogspot.com.br/2012/02/os-trilhos-do-mal-vii-o-mpf-acertou.html, http://www.estacoesferroviarias.com.br mostra tudo daqui da região.

    Sem mais delongas, um forte abraço!
    Mário Comarim

    Mário Comarim

    ResponderExcluir
  7. HE HE HE, tem um monte de fotos minhas aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! obrigado. Quais são? Preciso dar os créditos.

      Excluir
  8. Maravilha! Gostei demais daqui, embora tenha ficado chocado com o abandono do transporte ferroviário no nosso país.
    Parabéns pelo conteúdo, quer em matéria de texto, depoimentos, imagens e vídeos. Um acervo magnífico.
    Estou divulgando o site em meu blog "Estação Saudade", que tem um pouco do saudosismo que aqui encontrei.
    http://estacaodasaudade.blogspot.com.br/
    Um abraço... parabéns e obrigado por esta nostálgica mas bela viagem no tempo.
    Vitor Hugo Lautenschläger

    ResponderExcluir
  9. oi queria ver a estação de pradopolis pois viajem muito por la e tinha parentes la mais a muitos anos não os vejo nome da minha tia era penha maria alves morava perto da estação pradopolis

    ResponderExcluir
  10. Ótima postagem. Na minha cidade talvez ainda exista a estação.
    certa vez andando ao redor da antiga estrada (na epoca nem sabia que aqui ja percorrera um trem) e avistei algo semelhante a uma roda de trem, aquilo me chamou muita atenção.

    link: http://www.estacoesferroviarias.com.br/ce_crato/maranguape.htm

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pela excelente matéria, só há um pequeno erro a "Estação Silveira Lobo MG", na verdade se chama Estação Silveira do Val, fica em Ribeirão Preto, e não Minas Gerais.
    Estamos fazendo uma mostra fotográfica dos prédios tombados de Ribeirão Preto, e a estação está entre eles.
    Se você quiser, temos fotos do interior da estação e o contato do proprietário.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelly, obrigado por ler o blog e pela informação já corrigida.
      Grande abraço.

      Excluir
  12. "Excelente" Um Bestseller que merece destaque: http://www.amantesdaferrovia.com.br/profiles/blogs/esta-es-e-ferrovias-esquecidas-no-brasil





    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  14. O descaso e abandono de nossas ferrovias é algo de nojento e que merecia uma apuração do ministério público federal. Até quando vamos ver cenas de destruição e pouco caso com nossas ferrovias? Isso é dinheiro público que vira sucata e ruínas a cada dia e nada é feito. Enquanto isso o país amarga os congestionamentos, estradas destruídas pelos pesados caminhões e o trem parado...Ou o Brasil acorda ou vamos amargar o caos.
    E apenas como colaboração a foto da estação de Chiador aqui mostrada é em Minas Gerais e não em São Paulo. A estação faz parte da linha que liga Barão de Angra/RJ a Barão de Camargos/MG e que também deve desparecer em breve pois está sendo fechada. Uma lástima, pois a estação já está em ruínas e agora o trem em breve deixará de passar. Viva o Brasil. Piada.

    ResponderExcluir
  15. o abandono e lamentavel , mas pensem bem : hoje para viajar 400 km as pessoas preferem o aviao ao onibus , os trens de passageiros estavam fadados a extinçao mesmo , a menos que fossem de alta velocidade .

    ResponderExcluir
  16. O viaduto Paulo de Frontin fica em Miguel Pereira - RJ e não em SP

    ResponderExcluir
  17. Oá, adorei sua reportagem e estou atrás de vagões abandonados em Brasília para fazer uma previa de casamento, gostaria de saber aonde foi tirada a primeira foto, se foi aqui em Brasilia.
    Att. Thais
    thais.mota@live.com

    ResponderExcluir
  18. Excelente reportagem, incluindo o trabalho da elaboração dos vídeos editados. Este é realmente do estado de abandono e degradação de um patrimônio que está conforme o dito popular "entregue às baratas"; pela falta de sensibilidade dos governos, quer federal ou estaduais. Tantas coisas de somenos importância são objeto de discursos e mais discursos nas Assembleias Legislativas, na Câmara dos Deputados e Senado Federal, merecem a averiguação do Ministério Público e transformam-se muitas dessas questões em CPI. Por que um descaso como este que de muito vem ocorrendo com nossas ferrovias, em todo o Brasil, não merece quaisquer atenções dos poderes constituídos? Sabe-se que nosso País distanciou-se dos trilhos a partir dos meados dos anos de 1950, com o projeto de crescimento vertiginoso do presidente Juscelino Kubitschek, que deu prioridade às estradas. A construção e/ou revitalização de ferrovias era um processo lento para fazer o Brasil crescer "cinquenta anos em cinco", como pretendia. Num período de seis meses, ele conseguiu construir 500 quilômetros de rodovias e nem um palmo de estrada de ferro. Desde o Governo JK os investimentos e subsídios no setor rodoviário são grandes, não só para a abertura de estradas como para atrair montadoras de veículos. A partir de 1996, quando da extinção da RFFSA e a consequente privatização, as ferrovias começaram a ser desativadas e, por conseguinte, abandonadas, chegando hoje ao cenário de ruína total em que se encontram, sem que ninguém seja responsabilizado pela irresponsabilidade da destruição desde meio de transporte que tem o Barão de Mauá como seu patrono!
    Jeová Barboza - Timbaúba (PE)

    ResponderExcluir

TOP 10 - POSTAGENS MAIS POPULARES DO MÊS