segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Igrejas abandonadas em Detroit


Olá, gente boa.
Algo muito sinistro está acontecendo com Detroit. Ela está virando uma cidade fantasma.
Detroit faz parte de uma série de cidades localizadas em torno dos Grande lagos (EUA/Canadá) cuja economia é baseada principalmente na indústria pesada e na manufatura - siderúrgica, mecânica, metalúrgica (automobilística), petroquímica, alimentícia e têxtil - chamada de Rust Belt ou Cinturão da Ferrugem. A aglomeração industrial foi tão intensa nessa região que com a falência da industria nos EUA as cidades também estão falindo. Detroit é a mais afetada dentre todas.
Com seu crescimento populacional enorme até os anos 50 a infra-estrutura da cidade, consequentemente, também cresceu. Com o declínio da indústria e o êxodo da população constante, muita coisa ficou sem uso. Fora os inúmeros setores habitacionais vazios, tudo mais que servia de suporte para essa população também se tornou obsoleto e foi abandonado. Escola, igrejas, hospitais, teatros, cinemas, shoppings, delegacias, entre muitos outros.
Essa postagem é só sobre as igrejas, pois virá uma matéria sobre Detroit.
Assistam Detropia, um documentário excelente sobre o assunto.
Vamos às igrejas:

Calvary Presbyterian Abundant Life Christian Church






terça-feira, 17 de dezembro de 2013

A Ilha fantasma japonesa no Google Street View



Olá, gente boa!
Corri hoje pra cá pra mostrar uma coisa fantástica para vocês. Sabem aquela Ilha abandonada no Japão? tem até postagem dela aqui no blog. Então! ela foi posta recentemente na rota do Google street View. Entre no site https://maps.google.com/ e digite Hashima - este também é o nome da ilha - que fica em Nagasaki, Japão. Entre no modo satélite e arraste o bonequinho amarelo da esquerda para dentro da ilha e solte-o. Voce vai entrar no modo rota e é só seguir as setas para navegar. Simplesmente bárbaro. 
Capturei algumas imagens e vejam que lugar fascinante.





segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Aquaplay International Park - Luziânia - GO


Olá, gente boa!
Ontem fui explorar um parque aquático. Sempre fui louco para ir em um, e aqui perto há dois.
Há muitos parques aquáticos pela região do centro-oeste brasileiro, que possui um clima seco e quente, porém há também muitos cursos d'água - riachos, rios, cachoeiras, águas termais, lagos, entre outros. Esse setor é bastante explorado e a concorrência é forte.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O ashram dos Beatles - Índia


Olá, gente boa!
Vocês lembram ou sabem que em fevereiro de 1968, os Beatles viajaram para Rishikesh , na Índia para participar de um intensivo de meditação transcendental no ashram do Maharishi Mahesh Yogi? Junto com a banda, foram também suas esposas, namoradas, assistentes e inúmeros repórteres, num total de 60 pessoas. Enquanto estavam lá, os Beatles compuseram muitas canções que fizeram parte do The White Album.
Eles conheceram o Maharishi, em Londres, em agosto de 1967 e, em seguida, foram a um seminário em Bangor , País de Gales. Querendo saber mais, eles mantiveram em contato com o Maharishi foram ao centro de ensino do mestre localizado perto Rishikesh, no "Vale dos Santos", no sopé dos Himalaias .
Starr e sua esposa passaram de dez dias, os McCartney, um mês, enquanto John Lennon e George Harrison ficaram cerca de seis semanas e deixaram o local abruptamente após desentendimentos financeiros e rumores de um comportamento inadequado por parte do Maharishi. Harrison mais tarde pediu desculpas pelo modo como ele e Lennon tinham tratado o Maharishi e em 1992 deu um concerto beneficente para o Maharishi.
O mestre faleceu em 2008 e, pelo visto, o sonho acabou.





terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Parque Augusta - São Paulo - SP



Olá, gente boa.
Quero mostrar um material que o leitor Adorno Whert - ciberativista e fotógrafo - me mandou. É um espaço urbano bem localizado em São Paulo e que está sendo disputado por dois lados muito interessados: a população e os empresários. Estes querem fechar o espaço e aqueles querem abrí-lo, disponibilizá-lo ao cidadão. Se trata nada mais que uma das últimas áreas permeáveis do centro da cidade.
Nunca entrei muito em questões políticas e quase nunca entro, pois esta não é a finalidade do blog. Porém, eu sempre soube que decisões políticas também geram patrimônio abandonado dentro da área urbana e que isso viria à tona nos comentários dos leitores. Por este motivo é que deixo aos leitores a discussão sobre política. Falo tudo isso pois sei que esta postagem vai nos levar fatalmente para as questões: o abandono e a venda do patrimônio público e a destinação correta desses espaços dentro de uma malha urbana tão intrincada quanto a de Sampa. Qual a necessidade desses espaços livres na cidade?

Os direitos das imagens e do texto seguinte são de autoria de Adorno Whert..

Parque Augusta
"Área de 24 mil metros quadrados de remanescente da  mata atlântica, existindo no local mais de 600 arvores, sendo algumas de grande porte.
Voltando ao passado no local existia o palacete da família Uchôa, erguido em 1901, o local ficou conhecido como Vila Uchôa, mas foi vendido em 1906 e no ano seguinte foi inaugurado o colégio  Des Oiseaux, para meninas da elite paulistana, ( local era amplo que automóveis podiam entrar e deixar as alunas dentro do colégio. Algumas paredes com adorno de flores e frutos Brasileiros), sendo duas alunas de destaque, a politica Marta Suplicy e socióloga Ruth Cardoso.Mas no final dos anos 60 o colégio foi fechado, aos poucos e finalmente em 1974 o prédio foi demolido.
O ultimo proprietário , um ex banqueiro, vendeu em 1990 o local para mega construtoras que querem fazer duas torres comerciais (shopping) e um jardim interno e não publico.
Houve diversas manifestações para o local se tornar parque publico, em 2008 o local é declarado área de utilidade pública pelo ex prefeito de são paulo Kassab, e o projeto de lei PL 345/2006 que se arrastava desde 2010, que prevê a criação do parque municipal augusta foi aprovada na câmara dos vereadores no ultimo dia 27/11/2013 tendo 30 dias para o atual prefeito Haddad sancionar ou vetar, em caso de sancionar o paulistano terá 24 mil metros quadrados de lazer e ar puro, mas em caso contrário existirá no local duas ou até mesmo três torres comerciais com aumento de fluxo de automóveis."





sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Antiga fábrica da Pirelli na Amazônia brasileira

 

Olá, gente boa!
Pra fechar com chave de ouro a viagem à Belém fui à um local fantástico. Um antiga propriedade - muito grande por sinal - conhecida como Fazenda da Pirelli. 
No ano de 1951, no Brasil, para fornecer matéria prima para sua própria produção. A multinacional adquire então a fazenda Oriboca, no Pará, no município de Marituba na qual plantaram seringueiras que estão ainda lá, fornecendo a seiva aos habitantes locais - muito poucos, mas que mantêm a plantação roçada, limpa, as únicas sobreviventes da época em que a fazenda funcionava à todo vaporHoje ela é uma reserva tombada e mantida pelo governo federal.
Visitei a antiga vila dos moradores e uns galpões, provavelmente um espaço para beneficiamento da seiva da seringueira para exportação. A floresta é fechada e vi outras construções no meio da mata, porém como tinha que ser uma entrada rápida, explorei os locais mais evidentes e de fácil acesso. 
Faz um calor imenso na mata fechada mas mesmo pingando me fascinei com o local e quis ficar bem mais tempo. Quem sabe um retorno?... na mesma fazenda há até ruínas arqueológicas.

A vila de casas
Depois de passar pelas ruínas da fábrica, pela caixa d'água, chegamos a uma pequena vila de casas abandonadas. 
As casas estavam enfestadas de morcegos e marimbondos e vespas - daquelas que por lá chamamos de caba. Mas deu pra entrar na surpresa e fazer um bom registro. reparem nos detalhes das cores dos cômodos das casa, cada um de uma cor, seguindo uma tendência antiga de decoração.




quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Volta ao cemitério da Soledad em Belém - Amazônia brasileira


Olá, gente boa!
Quando vou à Belém não canso de visitar esse local. É pitoresco! o mais da cidade em minha opinião.
Já existe uma postagem anterior sobre ele, quem quiser está no link http://www.lugaresesquecidos.com.br/2011/10/cemiterio-de-nossa-senhora-da-soledad.html.

Decadência urbana em Belém do Pará


Oi, gente boa!
Quero tratar de um assunto muito sério hoje em dia muito comum nas cidades: a decadência urbana. O que causa? como uma cidade ou parte dela envelhece e, em muitos casos, prédios acabam se tornando ruínas, antilugares na cidade?
A decadência das cidades um fenômeno causado por vários fatores. Relacionados mais comumente ao crescimento das cidades e natural modificação que ela passa ao longo desse processo. No caso de Belém, aliado a tudo isso, contribui o clima chuvoso da região. Chove quase todo dia, em muita quantidade durante o ano inteiro. Não há manutenção que resista a umidade constante e ao calor, ainda mais se tratando de áreas esquecidas e prédios abandonados, a aceleração da degradação é fulminante.
Quanto aos motivos que causam a decadência, como eu disse antes, podem ser variados: no caso de prédios, abandono por morte do último possuidor do imóvel, abandono por brigas judiciais entre herdeiros, mudança dos proprietários e posterior abandono, incêndios, abandono por falta de dinheiro para a manutenção, desvalorização da área onde está o prédio, a mudança de atividades econômico comerciais destinadas a uma área, etc. - no caso de cidades e áreas urbanas maiores temos fenômenos naturais como terremoto, inundações e cheias, vulcões, entre tantos outros. O processo natural que as cidades passam modificam bastante as atividades de uma área ao longo do tempo, por exemplo, as áreas portuárias antigas nas cidades não compatibilizaram suas atividades com as atividades das cidades já inchadas. O fluxo de trânsito pesado dentro das áreas urbanas causado por esta atividade fez com que os portos fossem quase que expulsos para longe, para áreas até melhores para eles próprios, mas isso demorou muito e em Belém ela ainda resta dentro da cidade, reduzida, mas que produziu uma degradação dos setores circundantes. Muitos casarões foram abandonados nessa transição, os quais pertenciam á família de condição financeira mais que razoável e que se mudaram para áreas mais distantes. Isso ainda acontece até hoje.

Fachadas de algumas casas e palacetes em Belém
Andar por Belém é reviver - de uma certa forma sombria - o passado. O clima chuvoso naturalmente dá um ar de decadência aos mais novos prédios e torres gigantescas que há pela cidade.
Registrei alguns locais bem interessantes.







TOP 10 - POSTAGENS MAIS POPULARES DO MÊS